11.7.05
algumas coisas que deveriamos saber
" Loucos são aqueles que escondem suas loucuras para parecerem normais"

"O amor não é cego; ele percebe aquilo que ninguém mais consegue ver."

"Assim como o choro não provém apenas de tristeza, o sorriso nem sempre é sinal de alegria."

"Se amor significasse apenas prazer, Jesus teria sorrido na cruz."

Marcadores:

 
posted by rafael at 14:29 | Permalink | 1 teste tua chave
|
6.7.05
uma confissão
"Em homenagem a uma pessoa, que a pouco tempo me conhece, mas que muito já descobriu sobre mim"

Parece que as nossas caixas de e-mail estão virando um ótimo divâ. É claro que não naquele estilo dos psicólogos que procuram te convencer que todos os problemas são normais e oferecem uma fórmula mágica pensando que tudo vai passar. Mas penso num divã igual do filósofo Platão: as ruas da cidade, as praças, enfim, todo e qualquer lugar onde se possa conversar.

É porque Platão acreditava que a palavra tinha poder de cura, o "pharmacon", que tanto poderia curar quanto destruir. Isso tabém foi dito por Tiago na bíblia, se não me engano no capítulo terceiro do seu livro.

E sinceramente, acredito que as melhores palavras são ditas no silêncio. É. Pelo menos para mim basta que a pessoa com quem estou falando simplesmente ouça, não responda nada. Talvez porque sou muito introspectivo, e tenho medo de expor o que há aqui dentro, e também deixar que outros entrem e façam parte de mim. Pode ser que aqui se encontre a minha dificuldade de tomar a iniciativa de fazer amizades.

A verdade, é que tenho medo das pessoas. Não aquele medo neurótico. Mas talvez falta de confiança. Uma confissão: estou desencantado com os seres humanos. Essa é a crise com a qual convivo a muito tempo.

Desculpe pelo tamanho do texto!! Mas é que não partilho isso com ninguém, e quando resolvo faze-lo da nisso!!!
bju
rafael




Marcadores:

 
posted by rafael at 13:33 | Permalink | 2 teste tua chave
|
joguemos fora os relógios
É incrível como não sabemos lidar com o tempo. Estava me perguntando se antes da invenção da primeira forma de conta-lo, o ser humano vivia nesse luta entre cuidar de si ou dar contar do tempo. E me parece que nos últimos séculos estamos mais preocupados com o último.

Não quero me aventurar, como fez Santo Agostinho, a buscar uma explicação sobre o que seja o tempo (mesmo porque não tenho cacife e muito menos "tempo" para isso). Talvez o máximo que eu consiga fazer, é relatar a minha luta contra esse talvez inimigo. E de antemão confesso: sempre perco a batalha.

Aqueles que me conhecem devem se perguntar como eu consigo organizar o tempo que tenho para fazer todas as coisas que faço. E aqui respondo: eu não consigo. Para fazer tudo a que me propus, no mesmo espaço de tempo que todos temos para viver diariamente, precisei abrir mão de algumas coisas. E dentre as elas, a de viver.

Tempo para viver. Acho que nessa frase está o segredo para saber como ser amigo do tempo. Viver para o tempo. Talvez essa inversão tenha nos prejudicado e muito.

A moda agora é viver para o tempo. Sou adepto disso. Fecho os olhos para o futuro que desejo, porque tenho medo do tempo que levará para alcança-lo. Medo do tempo que levará.....preciso pensar um pouco sobre paciência.

Queria descobrir o que é tempo para viver. E tenho a impressão que preciso olhar algumas fotos. Fotos de quando eu era criança. Sim. Quando eu era criança o tempo era para viver!! Era tempo para brincar!! Agora eu lembro, não usava relógio, não pensava no tempo em tinha para brincar, simplesmente brincava.

Mas hoje, na minha idade, ninguém mais brinca. É tudo muito sério. Todos usam relógio e torcem para que os ponteiros andem rápido. Ou então torcem para que o relógio pare, para que se consiga fazer tudo o que se tem para fazer.

O tempo é para viver. O relógio é para escravizar o tempo, e a vida.

Marcadores:

 
posted by rafael at 12:35 | Permalink | 3 teste tua chave
|