28.9.07
não é como deveria ser




Viver é algo doloroso para mim. Todos os dias sinto uma profunda dor na alma. Sinto-me sufocado pela vida, por essa vida, particularmente pela vida que vivo. Sofro pois não vivo a vida que gostaria. Sofro por não saber como gostaria de viver. Sou uma pessoa frustada.




Sou frustrado desde que percebi o erro da minha primeira grande decisão tomada sobre os rumos da vida. Tinha 17 anos quando a fiz. A partir dessa, todas as minhas escolhas parecem ser erradas. Fico cada vez mais preso no erro e quanto mais tento desfazer o nó da vida, mais firme ele parece ficar.

Sou frustrado porque percebi não ter uma identidade própria. E essa foi uma constatação tardia, pois a identidade forjada para mim é muito forte. Não consigo desconstruir um rafael forjado em mitos, em idealizações, em expectativas. A minha culpa foi sempre ter ficado calado.

Sou frustrado pois descobri a vida muito tarde. Por nunca ter enfrentado algumas questões como deveriam ter sido tratadas e ter sempre reprimido tudo em nome do rafael construido pelos outros. Deixei de viver para dar vida a uma imagem.

Sou frustrado porque vejo concretizar-se em minha vida um ditado sempre dito pela minha avó: "deus da asas para quem não sabe voar". Tenho sérias dúvidas quanto ao fato de eu ter asas, e quando considero a possibilidade de tê-las sofro por não utilizá-las. Continuo preso ao solo e mesquinho, pois nem mesmo em sonhos almejo alcançar o céu.

Sou frustrado pois nunca tive sonhos. Até os tive, mas não eram meus. Eram de outros. Sonhei sonho de outros e agora não sei se tenho sonhos ou apenas fujo de pesadelos.

Sou frustrado porque não conheço o mundo. Fico dentro de um apartamento a maior parte do tempo. Raramente saio. Moro a seis anos numa cidade e posso contar nos dedos os lugares por mim frequentado. Agora o mundo me parece grande demais e impossível de ser conhecido.

Sou frustrado pois não tenho iniciativa própria. Sou passivo. Até hoje nunca fiz da minha vida o que realmente quis. Sempre fizeram por mim. Nunca briguei, sempre brigaram no meu lugar. Nunca levantei sozinho, porque nunca me deram a chance de cair. Sou extremamente mimado.

Sou frustrado pois ninguém me conhece. Cultuam a imagem de um rafael irreal. Tenho o azar de sempre ser visto fazendo as coisas certas e nunca as erradas. Maldita sorte que alimenta ilusões sobre mim.

Sou frustrado. Sim, sou frustrado pois descobri não ser nada daquilo do que dizem, que minha vida não é como pensam, que vivi até hoje a custas dessas expectativas e ninguém parece enxergar como realmente sou.

Sou frustrado desde minha primeira decisão na vida, a qual me colocou num caminho de onde não consigo encontrar retorno.

Sou frustrado porque descobri a vida tarde e a tardança não tem perdoado o tempo mal aproveitado.

Sou frustrado pois em cada manhã surgida minha maior expectativa não se concretiza: que o mundo tenha chegado ao seu termo.

Pelo menos o meu mundo.

Marcadores: ,

 
posted by rafael at 19:47 | Permalink |


14 Comments:


At 28 setembro, 2007 23:19, Anonymous Adão Braga

Texto forte e cheio de caracteristicas pessoais. Não frustrou-nos nesta reflexão.

Se tomares este texto como uma iniciativa, já pode utilizar suas asas agora, e já desde já, voar para onde desejares...

Se ficar apenas no texto, frustraras mais ainda, em saber que sabe o que deve ser feito e não o faz.

 

At 29 setembro, 2007 01:30, Anonymous prill

estou tentando articular o viés durkheimiano de que as identidas são construidas exteriormente e internalizadas....

 

At 29 setembro, 2007 02:11, Blogger Sandra Leite

Rafa, adoro suas palavras. Queria beber delas (também) em especial: "17 anos, escolhas, erros,parecem,preso, nó,forjada, mitos, idealizações, culpa....
Deixou,imagem, dúvidas, preso, mesquinho, sonhos, pesadelos,passivo, briguei, levantei, cair, mimado...
cultuam,retorno, a cada manhã...
Mundo".

Revela-se o que de mim sempre vi. Talvez forjei ainda mais e mais hipócrita fui.
Percebi que o antídoto a isso tudo era amar...e amei, o tal verbo intransito do Drummond.
Da minha maneira e que não é a do outro. Não sou mais refém de mim mesma. Paguei o resgate. Acho que pagaram !
(hoje é o dia do desconto, lembra disso!:-) )
Rafa, é a caixa de pandora!
beijossss

 

At 29 setembro, 2007 02:13, Blogger Sandra Leite

opssss:

verbo intransitivo* do Drummond (mas poderia ser in transito)

 

At 29 setembro, 2007 09:16, Anonymous Veridiana Serpa

belo texto, o ínicio do fim das frustrações, asas se abrindo para voar... bjs e um ótimo final de semana ...

 

At 29 setembro, 2007 19:35, Anonymous Ad

Rafa me sentia assim como vc até bem pouco tempo atrás.Depois cansei e decidi voar, deixar de me preocupar com o q as pessoas vão pensar e viver a vida da maneira q melhor me aprouver.Hj falo e faço o q me deixa feliz, busco a realização dos MEUS sonhos e ja caminho com minhas próprias pernas.Te garanto qmelhor do q ser admirado por todos é ser FELIZ DE VERDADE. Ano passado comecei a me libertar, esse ano resolvi algo q ja deveria ter feito a muito tempo.Lute por seus sonhos, vc se sentirá uma pessoa de verdade, mto mais feliz! BJOCAS

 

At 29 setembro, 2007 19:50, Blogger a calma alma má

O homem que consegue se reconhecer já está pronto para se transformar.
Você vai querer vir ou vai ficar só olhando?
bjos
ps: monge????

 

At 29 setembro, 2007 19:57, Blogger rafael

Adão
É o tal do agir que tem me incomodado muito.... Obrigado pelos conselhos. Admiro muito você.
abraços
*************
Prill
Digamos que a identidade seja formada 50% externa e 50% internamente. Na verdade, acho que a identidade é erigida no choque entre essas duas dimensões.
Adoro você. Bjus
******************
Sandra
Adorei o in-transito. Amar é justamente isso: transitar entre o nosso mundo e mundo dos demais. E é nessa viajem que nos forjamos.
Suas partcipação é sempre muito relevante... bjok
************
Veri
As vezes o final é a parte mais longa da história, pois dependendo do roteiro são muitas coisas a serem explicadas.
Estava com saudades de você. bjin
*********
Ad
Me sinto como o anjo do conto de García Marquez, pois esqueci de quem sou.
Sua constante participação sempre me motiva a redescobrir a mim mesmo. bjão
*********
Alma
É justamente essa a minha dúvida: vou ou fico? Quem sabe esteja me faltando a corajem de "ser".
beijos
ps: sim, monge. Mas não é de hoje...

 

At 29 setembro, 2007 21:54, Blogger Leticia

aI Rafael primeiro pela coragem de admitir esse nível de frustação.Agora vc demonstra saber o que não é e ao menos tempo não deixa claro saber quem é.
Ser demanda esforço.Ser vc é arriscado por aí vc compra brigas com a imagem que mantém , e o seu pior inimigo nesse caso é vc mesmo.
Porque basta querer ser querido, tem que saber como querer.
Orarei por ti .

 

At 29 setembro, 2007 22:01, Blogger Leticia

Ops:é " não basta querer" e vai lá no blog tem presente e desafio pr vc por lá.Bjks.

 

At 29 setembro, 2007 23:53, Blogger Menina Malvada (Ou Kaka)

Eu adoro seus textos, mas sinceramente, você não é uma pessoa frustrada... Você AINDA não percebeu isso...

Beijão sumido!

 

At 30 setembro, 2007 11:19, Anonymous Anônimo

Rafa, li seu texto ontem...
Pensei...
Sabe é muito complicado reconhecer os em nós os nossos erros e este passo você já deu.
Fico aqui na torcida por sua felicidade e orando por ti viu!
Um grande abraço da Paola.

 

At 30 setembro, 2007 13:21, Blogger rafael

Leticia
Essa tem sido a minha busca: saber. Pois querer quero faz tempo!
bjus
*************
Kaka
Vou pensar nisso! rs
Saudades de você menina!!
bjão
***********
Paola
Mais difícil do que reconhecer é ter forças para corrigí-los. É esse passo que preciso dar agora...
bjok

 

At 30 setembro, 2007 16:50, Blogger Van

Bonitinho....
Um puta coincidência essa....
Cheguei ontem do show. Cansada, exausta, com um nivel de insatisfação enorme me doendo a cabeça... Ia postar ainda aquela hora sobre o rumo que minha vida tomou e sobre como as coisas não saíram como eu queria. Em outras palavras, sobre minha frustração. Aí, eis que entro num certo Aletômetro (de Alethéa) e dou de cara com esse seu post.
"Coincidências".....
...

 


|