5.9.07
como é que você escreve?
A pergunta é fruto da curiosidade do Adão e da Paola. E não irei deixá-los sem resposta.

Ter idéias para escrever, ou para qualquer outra atividade, exige o esforço de refletir sobre o mundo a nossa volta. E para mim, reflexão é sinônimo de estar admirado pela vida e deixar-se embriagar pela sua beleza e mistérios. É como a paixão de adolescência que consome toda nossa imaginação, sentimentos e razão, deixando-nos cativos da pessoa amada e levando-nos a ter várias idéias a respeito dela.

A idéia. Meus textos nascem a partir de um estranhamento ou admiração causada por um conceito ou palavra, em alguma leitura ou quando estou comigo mesmo. A idéia começa a formar-se depois de atingir meu corpo: sombracelhas franzidas quando ocorre estranhamento; um suspiro ou sorriso na ocorrência da admiração.

O processo. Tendo a idéia, parto para o diálogo comigo mesmo. Sempre procuro confrontar o óbvio, mesmo que ao final o óbvio seja a resposta. Acrescento, retiro, invento, inverto, reverto. Gosto de pensar as possibilidades, os limites, as transformações, as críticas. Argumento, pergunto, respondo, pinto, rasgo, rabisco. E sinto. Principalmente sinto a idéia caminhando aqui dentro. O sentimento de estranheza ou de admiração é sempre presente. Algumas vezes preciso escrever a mão e visualizar no papel; em outras, preciso dizer em som audível para sentir a sua força. Preciso sentí-la, vê-la, ouví-la.

A chegada. As idéias ficam rodando sem rumo dentro de mim. As que causam estranhamento são as mais perdidas. Não concordo, mas "não sei porque". Algo me diz que "não é assim" ou que "poderia ser diferente", mas ainda não sei que algo é esse. Isso acontece pelo fato de eu não conseguir ver a parte independente do todo. Daí decorrer muitos textos longos para um blog, pois eu preciso localizar a idéia dentro do conjunto da obra. É como um jogo de xadrez: preciso registrar cada movimento feito por mim. A idéia encontra seu norte quando descubro o "por que" do estranhamento. E descoberto, crio o mapa para a resposta. As idéias que causam admiração tem um processo um pouco diferente, visto elas ter um caráter menos "racional", por ser motivadas pelo "sentimento". Essas geralmente encontram rapidamente seu caminho. Na verdade, o caminho é uma trilha qualquer para um destino qualquer.

O cenário. A minha atividade de escrita é sempre solitária. Preciso estar só, no silêncio, ouvindo apenas a mim. Nada de luzes acessas pela casa, e de preferência tudo deve estar em ordem, limpo, para que eu me sinta confortável e sem incômodo algum. Não que eu seja fanático por limpeza, mas a ordem da casa é o reflexo do meu estado de espírito. Gosto de escrever no escritório, onde posso ver meus livros; minhas fontes de inspiração. Quando são textos longos e argumentativos, prefiro escrever direto no computador, pois assim a redação acompanha a velocidade do raciocínio, e se não estiver do meu agrado é mais fácil reescrever. Textos curtos e mais emotivos, escrevo a mão e na sala. Por ser um ambiente arejado, sinto maior liberdade, e escrevendo a mão me detenho mais cuidadosamente sobre cada palavra.

O texto. Finalmente a produção do texto. Tendo a idéia e o mapa para a resposta, deixo as palavras fluírem. Pego as primeiras que surgem, sem o rigor de seu significado e preocupação estilística. Nesse primeiro momento, ocupo-me apenas com a coerência e coesão do texto. Tendo-o grosseiramente pronto, parto para o acabamento. As correções ortográficas de praxe (que sempre deixam escapar algo); a troca de alguns termos para outros de sentido mais preciso ou maior expressividade, etc. Procuro sempre estabelecer um ritmo para a leitura, e isso depende do tema tratado, do gênero que utilizei e do sentimento que desejo causar no leitor. Releio várias vezes antes de publicar, e por vários dias depois de publicado. Estando ele no ar, a única mudança que me permito fazer é a correção ortográfica, porque depois do ponto final derradeiro, acredito que o texto é um "outro" sobre quem não tenho o direito de interfirir.

Respondendo a pergunta inicial acredito também ter esclarecido o porque não escrevo diariamente no blog. Pensar e escrever para mim é uma atividade que demanda tempo e zelo. Não gosto de verborragia: palavras não devem ser gorfadas, seja de forma oral, seja na forma escrita. Pois o mundo foi criado pelas palavras - "E disse deus: haja luz, e houve luz!" - e nossas palavras também criam mundos.

(todos somos um pouco deus, e um pouco feiticeiros)

Estou com Rubem Alves quando ele diz estar em busca da palavra que faz florescer o Paraíso que o esquecimento transformou em deserto dentro de nós. Estou em busca de palavras que tornem visíveis os sonhos, e que, quando ditas, transformam o vale de ossos secos numa multidão de crianças.
(lições de feitiçaria, Loyola, 2001)

É assim que eu escrevo.

leia também:

Marcadores: , ,

 
posted by rafael at 02:00 | Permalink |


16 Comments:


At 05 setembro, 2007 07:53, Anonymous Veridiana Serpa

Rafael, estou passando para te convidar para dar uma olhada em algumas idéias para o dia 07 de setembro ...
http://30ealguns.com.br/?p=380
bjs

 

At 05 setembro, 2007 08:23, Anonymous 1ª Lady newton

Rafinha,
Tenho uma hora por dia que me foi concedida por meu digno e bondoso chefe para poder acessar aos meus particulares na net! Então tenho q dividir meu tempo bem certinho!

Decidi passar pra agradecer o abaixo-assinado, viu? Vc é lindinho, fofo, chucrute da Titia Lady Newton e sempre será um dos meus favoritos. Sempre, sempre!

Adorei sua visita nas pererecas. Esqpero q vc volte lá sempre, pois eu sempre! Ja respondi seu comment lá mas acho seu blog tão lindo que decidi comentar aqui tb.

As outras pererecas adoraram a visita tb! E prometeram passar aqui qdo puderem!

Qto ao texto:
Eu escrevo como a Clarice Lispector: Por livre-Associação! Faz um bem danado!

Beijo!

 

At 05 setembro, 2007 08:25, Anonymous 1ª Lady newton

Passa lá...! *Aprendi a linkar*
A loira aprendeu a linkar! UHU!

 

At 05 setembro, 2007 09:24, Anonymous Erika

Fico encantada com esta estrutura de escrever e criar.

Eu fico horas... as palavras saem aos trabolhões.. e vou escrevendo... tenho didática nenhuma.. rsrs

Beijos

 

At 05 setembro, 2007 10:47, Blogger rafael

Veri
Obrigado pelo convite. Farei o possível para participar.
bjus
***************
Lady
Estou muito feliz por ganhar um espaço nesse curtíssimo tempo. To me achando todo agora!! Com certeza irei andar pelo brejo, afinal, não deixarei de ir vê-la sabendo onde você está.

E que chique escrever como a Lispecto hein!! rsrs
bjus
******************
Erika
Vou confessar que as vezes gostaria de escrever como você, deixando as palavras serem como crianças travessas....

Mas o fato mesmo é meus textos são produtos de um diálogo que travo comigo mesmo. Parafraseando Alberto Caeiro: "escrever não ambição minha, mas a maneira de eu estar comigo mesmo".
beijos

 

At 05 setembro, 2007 11:08, Blogger Paola a Estranha

Gatchinho de Deus!!!
Sou sua fã!
Vou montar um fã clube. rs

Você escreveu estranho um montão de vezes, seria efeito Paola? rs

Brincadeira querido!

Beijussss,

P.

 

At 05 setembro, 2007 13:24, Anonymous Anônimo

Ad

Rafa, agora compreendo porque seus textos são tão perfeitos...O cuidado ao elaborá-los, as etapas, vc é demais!Um fabuloso escritor, genial, tudo de bom.Parabéns!

 

At 05 setembro, 2007 14:48, Anonymous Anônimo

To impressionada com tua organização de idéias, que coisa linda!!!

Como você escreve?!
Bem, mal não me leve
Mas pra mim basta um papel
Uma caneta, olhar o céu
Falo de contemplação
O que passa, uma invenção
Crio uma coisa absurda
Falo até ficar rouca, muda
Vou prendendo nas letrinhas
A emoção dos outros, a minha
Jogo ao vento, corro o risco
Daí fiquei pensando, pode ser por isto
Que tu escreves, lindamente... Eu rabisco


(pererecasemchamas)

 

At 05 setembro, 2007 15:22, Blogger Leticia

Nossa vc tem todo um ritual.Por isso tudo tem tanto sentido, é tão linear aqui.
Eu escrevo pra não enlouquecer, porque as palavras ás vezes me ganham pelo cansaço.As idéias e histórias brotam .
Sei não se é bom ou ruim.
Cada um , um prisma.

 

At 06 setembro, 2007 01:24, Anonymous Adão Braga

Assorberbado!

 

At 06 setembro, 2007 01:29, Anonymous Anônimo

Ó eu vou dormir, porque desde a manhã de quarta, ou seja, desde que eu acordei na manhã anterior que tudo anda aos aversos...

a palavra não tem esse R que foi a mais...

ASSOBERBADO!!!

 

At 06 setembro, 2007 08:47, Blogger Sandra Leite

Rafael,

1a visita oficial, porque já te via desde sempre :-)
Suas palavras me atraem.
As minhas me traem.
Delicioso o seu texto. Mais ainda suas idéias, sua sensibilidade...
Parabéns! Visitarei muitas vezes...oficialmente :-)

beijos

 

At 06 setembro, 2007 10:07, Anonymous 1ª Lady Newton

Gatchinho lindo da tia Lady!

Vom comentar post novo (pra vc ver como te visito todo dia) mas acontece que there are no one!

Muito franca? Acho digno então vc ir lá visitar as pererecas q estão louquinhas pra que vc vá la de novo (e vá sempre)!

Hj tem post novo e é meu!!!!! Maior confusão com o causídico estagiário! Me aconselhe, please!

Pererecas te amam e sua visita RULES!

 

At 06 setembro, 2007 10:49, Anonymous Veridiana Serpa

e como sempre ao final desse processo nos presenteia com textos excelentes... um ótimo dia ...

 

At 06 setembro, 2007 14:06, Blogger rafael

Paola
Fã clube é bom hein!rsrs
bjus
*******
Ad
Você está me acostumando mal com teus elogios, hehehehe. bjok
*******

Teus rabiscos são belos. Eu queria ter a facilidade com o versos assim como tu tens. bjo
*******
Leticia
Juro que não é ritual programado. É que só funciono assim!! rsrs. bjin
*******
Adão
Olha que é difícil ser assoberbado!rs.
abraços
*******
Sandra
Bem vinda hoje e todas as vezes. E obrigado pelos elogios! beijo.
*******
Lady
Infelizmente meu processador mental não consegue produzir um texto por dia. Sem contar o tempo que está escasso ultimamente... bjão
********
Veri
Obrigado. Mas vou confessar que esse processo é trabalhoso!! rs. bjuk

 

At 06 setembro, 2007 21:16, Blogger Graciela Lize

RAFAEL

Perfeito, agora da entender pq seu textos são tão especiais...beijos mil

 


|